Fragmentos – palavras contidas, lembranças, história, vida

Fragmentos 
Quadro “Fragmentos” de Diego Zambrano

 

   A vida é feita de fragmentos… pedaços de existência, de lembranças, de gestos, de sins e nãos, de começos e fins. Cada história pessoal é a história da humanidade inteira contada a partir de um ponto de vista. Experiências plurais vividas de maneira singular, única, particular.

E a mecânica da vida se repete. A constância dos movimentos constrói a rotina. No tic-tac do relógio, a espera pelo que já foi ontem e será amanhã e no outro dia e no outro e no outro, se repetindo… e de novo, outra vez…

 

   A inconsciência do gesto constrói a redoma que aprisiona o pensamento, o questionamento, a dúvida, a reflexão. E o cotidiano se enche de tédio. Onde está a alegria? Onde está? Onde está o gozo, o prazer, em meio a essa agonia que é viver?

 

   A vida é só nascimento e morte? Viver é inflar os pulmões e contrair os músculos? Ou é mais que isso?

 

   Viver, na verdade, é tirar a vida para dançar. É perguntar, é descobrir, é ser. E cada questão é um passo para a consciência de quem sou eu. Mas quem eu sou se, ao me olhar, encontro medo e trauma?

 

   É preciso nascer. Abandonar o conforto do últero para se lançar na escuridão que a luz provoca. Respirar, vencer a asfixia do pensamento. Deixar soprar vento novo em minhas entranhas. Fazer explodir em vida o meu morrer de cada dia.

 

   Ainda que não queiram ver, sou o que sou. Virá à tona a verdade que manipulam e tentam esconder… ainda que não queiram ver. Serão cegos sozinhos, pois que minha história, em fragmentos, se reagrupa na memória do que sou. A linha do tempo, que perpassa meus sentidos, costura os retalhos da minha existência, corrige as fendas da minha vida. Sim, sou eu, posso me reconhecer nessa criança, que a passos lentos se aproxima de si mesmo.

 

   Como num quebra-cabeças, vou juntando peças, reunindo detalhes de mim mesmo, perdendo-me e encontrando-me no mural de fotos das minhas lembranças. E nessa dança, passado e presente se encontram, se abraçam, se contorcem em movimentos cálidos.

    E tudo faz sentido quando o sentido não sou eu, quando o barro se rende e aquilo que sou vira vaso nas mãos do Oleiro. Quando o artesão da vida vai tecendo, fio a fio, a história humana, descubro que cada fragmento faz parte da mesma obra e que a minha vida também é parte da sua. 

Alexandre Santos

*Texto de abertura do espetáculo Fragmentos – outubro/2007 – Rio Claro-SP

 

Anúncios

2 Respostas to “Fragmentos – palavras contidas, lembranças, história, vida”

  1. Gisele Says:

    Olá, gostaria de deixar meu depoimento expondo meu encanto pela poesia, só poesia e nada mais. O texto que acabei de ler é de pura magia, é verdadeiro e simplório. Tudo faz sentido na vida quando não perdemos de vista os seus fragmentos. Abraços Gisele

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: