A Escola do Dia-a-Dia

eutocando.jpg

     Outro dia, eu estava na capela, contemplando uma gravura da Família de Nazaré e conversando com Jesus, Maria e José sobre como é difícil viver o dia-a-dia, como é difícil para nós viver o ordinário, a rotina.

     Quando a gente lembra ou lê sobre a vida dos santos ou de grandes nomes da história, por mais completa que seja uma biografia, a gente só consegue enxergar os momentos pontuais da vida da pessoa.

     Isso acontece também com a própria Família de Nazaré. Só enxergamos os momentos pontuais: a anunciação, o caminho para Belém, a procura por abrigo, o nascimento, a visita dos reis e dos pastores, a fuga para o Egito, a volta para a Judéia, etc. Mas o dia-a-dia, o sol a sol, trabalhando, vivendo cada hora, cada momento, tudo lento, normal, corriqueiro, ordinário, é muito difícil.

     Eu acredito que é justamente aí onde está o ato heróico das pessoas. Muito mais do que naqueles momentos pontuais em que os objetivos, as histórias se concretizaram. Esperar, dia a dia, que os desígnios de Deus se cumprissem naquele menino, que se sabia ser diferente, mas que no dia-a-dia se mostrava tão normal, acredito que não era nada fácil.

     Viver o corriqueiro é a grande escola de Deus na vida da gente. Nós nos preparamos para viver o extraordinário, não para o ordinário, para o dia-a-dia. Na escola, na sociedade, sempre nos preparam para tirar a nota dez, para passar no vestibular, para passar no Concurso, ser o melhor. Sempre momentos pontuais.

     Ninguém nos prepara para viver um dia depois do outro, o agora, o hoje, não somos treinados para os fracassos e sucessos do dia-a-dia, para viver o ordinário da vida. E o pior (ou o melhor) é que Deus se manifesta justamente no ordinário.

     Veja lá a mulher samaritana… Era mais um dia na vida dela, estava na rotina de pegar água no poço, coisa que ela fazia várias vezes todos os dias. E em uma dessas vezes, naquele dia, que para ela era igual aos outros, Jesus apareceu e mudou toda a vida dela. Era mais um dia para ela, mas era o dia propício para Deus se manifestar.

     Ou a gente se prepara para encontrar Deus no ordinário de nossas vidas ou vamos passar o resto da vida esperando o extraordinário acontecer para poder se realizar, se decidir, tomar uma atitude. E isso pode nunca acontecer. Como o extraordinário não é comum e por isso não sabemos quando vai acontecer, pode ser que ele aconteça e a gente não veja, não perceba ou simplesmente não esteja preparado no momento.

     O mesmo aconteceu com Moisés. Na rotina dele de pastorear o rebanho, no ordinário do dia-a-dia, se deu o extraordinário. Naquele dia, igual aos outros, mais um dia de rotina, ele foi um pouco mais além e encontrou a sarça ardente. Quer dizer… Não foi bem ele que encontrou a sarça ardente, foi ela que quis ser encontrada por ele. É Deus se manifestando no ordinário, no dia-a-dia.

     Imagine os longos anos que separaram a fuga de Moisés do Egito, depois que matou um soldado, até esse momento de encontrar a sarça ardente e receber revelação da sua missão. Como Deus vai ensinando, vai treinando sem que a gente se dê conta. Para nós é só o dia-a-dia, o ordinário, a rotina… Para Deus, é a nossa escola. Uma escola que nos prepara para aquilo que ele quer de nós, e que ainda não fazemos idéia do que seja. Foram muitos anos construídos pelo dia-a-dia.

Alexandre Santos
Texto utilizado como suporte para palestras de encontro de formação para jovens, em João Pessoa-PB (outubro de 2007)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: