A bolsa caiu? Então apanha!

A bolsa caiu? Muito ou pouco? Qual a cotação das ações? Vou perder dinheiro? Qual o melhor investimento agora? Essa crise vai durar muito? Os EUA vão dar calote? O que disse Obama no discurso? Como o mercado reagiu? O que dizem as agências de risco?

Confesso que não entendo muito bem como funciona essa dinâmica das bolsas de valores, fundos de investimentos, mercado de ações, macroeconomia, etc. O que ainda consigo compreender é o que se compreende até quando se vai à feira. Se uma fruta está fora de estação e não se dispõe dela numa quantidade em que atenda a todos os que a procuram, o preço sobe. Já quando é época propícia de colheita e aumenta a oferta dessa mesma fruta, de modo que há mais frutas do que pessoas para comprá-la, o preço cai. É a velha lei da oferta e da procura. Ou simplesmente a lei de mercado.

Essa palavra, hoje em dia, é usada para designar o movimento de capital mundo a fora e as regras que o regem. Investidores anônimos ou não, com ou sem uma nacionalidade específica, escolhem em que país vão aplicar o seu dinheiro. E isso depende justamente do mercado. Onde esses bilhões podem se transformar em trilhões? É um jogo. Complexo, mas um jogo. Uma decisão errada, um passo infalso e… Game over. Perde-se e ganha-se somas tão difíceis de se compreender quanto as próprias estratégias utilizadas para vencer.

Se é um jogo, vou tentar imaginá-lo assim.

Uma sala escura. Uma centena de pessoas ao redor de uma mesa. Sobre ela, um tabuleiro, privilegiadamente iluminado. Tudo o mais é só penumbra. Só se consegue enxergar os rostos assombreados dos jogadores na medida em que eles se aproximam para fazer seus lances e jogar os dados. Dá para ver alguns traços, mas não se sabe bem quem são. Estão nas sombras, sem rosto, sem nome, sem identidade. Como zumbis de um filme de terror, se acotovelam pela presa mais suculenta, pela melhor oferta, pelo melhor negócio.

Do lado de fora da sala, uma multidão se comprime para saber a quantas anda a partida. Sem entender direito as regras ou por qual dos jogadores devem torcer, buscam, ávidos, por uma notícia. Espera-se que seja boa. Mas o que seria uma notícia boa, num quadro em que há tantas variáveis, tantas tão confusas possibilidades? Como saber se o que acontece lá dentro é bom ou mal?

Isso é um trabalho para os comentaristas. Eles não estão dentro da sala, que é restrita aos jogadores, mas num lugar reservado, como que um camarote, bem iluminado, de onde conseguem acompanhar cada jogada, de mestre ou não. E eles conseguem fazer projeções sobre os desdobramentos bons ou maus que podem suceder as centenas de jogadas possíveis, simulando todas as combinações, através de poderosos ultra mega master computadores de ultíssima geração. Tudo isso, para informar bem à multidão aflita, que reza por um final feliz, mas sem saber muito bem quem é o mocinho e quem é o bandido da história. Com essa parafernália toda, os ilustríssimos analistas, muito bem pagos, muitos até pelos próprios jogadores, enchem o peito para saciar a multidão, afirmando categoriacamente: “Pode acontecer tudo, inclusive nada!”.

No fim, igual a todo o jogo, uns ganham, outros perdem. A diferença é que ali quem perde sai ganhando e quem ganha também acaba perdendo um pouco. Os derrotados estão no meio daquela multidão aflita, porque essas pessoas são o objeto das apostas dos jogadores. Elas sofreram de fato as conseqüências dos resultados das partidas anteriores e aguardam mais um desfecho para saber o que será de suas vidas. O pior é saber que, mesmo ao final, o jogo não termina. Outras partidas virão.

Longe desse ringue, uma multidão ainda maior, de bilhões, nem sabe que seu destino está sendo traçado num tabuleiro de dados viciados ou, se preferir, de cartas marcadas. Cartas do tesouro.

Esses bilhões, sem saber, são oferecidos como sacrifício a um deus. Sim, um deus. A divindade que hoje desafia o único Deus de Abraão, que une (ou pelo menos deveria unir) Judeus, Muçulmanos e Cristãos.

Como outrora, no culto a outros (?) deuses, os seguidores do deus Mercado oferecem sacrifícios de vítimas inocentes. A maioria delas nem sabem que o seu sofrimento, dos seus pais e irmãos, e o sofrimento do seu povo e de seus ancestrais servem para aplacar a ira dessa dinvidade para com seus escravos.

E eis que o deus Mercado se sacia com o sangue de vítimas do jogo mercadológico, depositadas nos recônditos do planeta, sobretudo na África. A cada corpo caído, o guloso deus sorri em seus escravos. Para que perder seus bilhões tentando salvar vidas? Eles investem em sistemas de segurança. Transitam como zumbis a bordo de jatos, helicópteros e carros blindados e vivem enjaulados em suas mansões, com medo dos fantasmas das vítimas.

Enquanto isso, numa dessas periferias do mundo, ouvindo o noticiário da TV e sem entender o motivo do pavor, alguém dispara: “A bolsa caiu? Oxi… E precisa desse aperreio todin? Se caiu é só apanhar, homi! Varei… é cada uma! Ô povim pra não ter o que fazer! Deixa eu cuidar dos meus bode que é melhor”.

E não é que ele tem uma certa razão!

Alexandre Santos
*especial para o blog Outros Diálogos

Anúncios

Tags: , , , , , ,

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: